Foto por Chris Bair no Unsplash

A cor descasca
revela feridas
jamais cicatrizadas.

O fogo congela
Se apaga
Morre
E jogo na cama
as suas cinzas.

Por acaso rasga um riso
em meio ao rosto pétreo
Dando de comer à esperança
de que a flor não murche.

Mas há sempre uma penumbra
Girando o trinco da porta
Basta…

--

--

poesia adriel alves lagarta medium

A lagarta dá largada
Ora alonga, ora alarga
Alastra e alaga
A lagarta largada
Aliada a haste
À lavoura alicerce
Ali alimenta-se
à lá carte
Ali cresce
A lentos andares
Além dos alardes
A lagarta larva
Ali endurece
Alienada
O lar a larga
e a lagarta ala.

Gostou do conteúdo? Deixe aqui o seu aplauso (que vai de 1 a 50) e/ou comentário. Caso tenha interesse, inscreva-se aqui para receber um e-mail toda vez que eu publicar um novo texto.

Instagram: @purapoesiaa

Twitter: @purapoesiaaofc

--

--

Foto por pure julia no Unsplash

Um córrego abraça os óbices
Troca o passo no ritmo
em que pisam em seus pés
Faz da inconstância uma pedra
Poderíamos ser riachos.

Antes de quebrar a casca
O ovo era o universo
Pássaros desconhecem o voo
Até a queda compulsória
Também já fomos pássaros.

Formigas são cegas e teimosas
Não há outro caminho
senão a rota já traçada
Uma vez fora dessa estrada
perde-se eternamente
Não formiguemos
Pavimentemos o próprio trecho
Para perder o perder-se.

--

--

Foto por Alexandru Acea no Unsplash

Como um poeta
Um cientista da palavra
As disseco, minucioso
Para entender as entrelinhas
Que costuram sua alma
Experimento, duvidoso
De que seu cerne se aproxima.

Molhamos apenas os pés
na margem da palavra
Sua profundidade abissal
está onde os olhos dormem
As tripas das palavras me digerem
E tenho fome de ser devorado.

Quem vê palavra
com o olho da razão
não despe sua veste
não a vê nua e crua
não se seduz por esta Vênus.

O poeta é um apaixonado
Captura faíscas ao vento
Para engendrar incêndios
Só os que se queimam nesta pira
não terão moedas sobre os olhos.

--

--

pura poesia adriel alves ocaso das flores poema medium

Há uma flor que desabrocha
E há uma flor que chora
sobre seu próprio ocaso
Aí está o dourado
Entre a pétala esplendorosa
E o triste fim duma rosa
Onde a vinda
acompanhada de riso
e a partida
acompanhada de sal
dividem o lençol
Entre um ocaso e outro
haverá uma aurora
Não é então a flor um sorriso?
Uma felicidade breve que brota
E recessa feito espuma marinha
E aguardamos com ânsia a volta…

O sol tem um milhão de quilômetros
Mas tão imensa é a grandeza duma flor
Que o sol se apequena
para caber num botão.

Gostou do conteúdo? Deixe aqui o seu aplauso (que vai de 1 a 50) e/ou comentário. Caso tenha interesse, inscreva-se aqui para receber um e-mail toda vez que eu publicar um novo texto.

Instagram: @purapoesiaa

Twitter: @purapoesiaaofc

--

--

Adriel Alves

Poeta e escritor. Integrante do portal Fazia Poesia. Instagram: @purapoesiaa. Gostou do conteúdo? Se inscreva no link: https://adriel-alves.medium.com/subscribe