Hecatombe

Adriel Alves
1 min readFeb 23, 2024

Devo narrar o destino de minhas tripas
A carne é formada do que se sacrifica
O rato morre pela fatia de queijo
A louva-a-deus guilhotina o parceiro…

Me circundam com cravos em mãos
Os santos altares têm sede de sangue
Que minha próxima morte não venha em vão
Ó divindade! Não esteja o queijo tão distante!

À ti oferto este pulsante e fervente coração
ᵍʳᵃⁿᵈᵉ deus (i)mundo, não o cuspa
É tudo o que tenho, a carne que nada custa
Sei que irás moer e dar de comer ao leitão.

Ó mundo, quando eu semear-te com sonhos inférteis
Quando gerar a tua prole orfã, decepar-me-á sem dó
De pele em pele sofrem estes teus filhos répteis
Neste teu moinho que reduz as ilusões a pó.

Gostou do conteúdo? Deixe aqui o seu aplauso (que vai de 1 a 50) e/ou comentário. Caso tenha interesse, inscreva-se aqui para receber um e-mail toda vez que eu publicar um novo texto.

Instagram: @purapoesiaa

--

--

Adriel Alves

Poeta e cronista. Integrante do portal Fazia Poesia. Instagram: @purapoesiaa. Gostou do conteúdo? Se inscreva no link: https://adriel-alves.medium.com/subscribe