Outono

Fazer da morte de todos os dias uma veste
No tom de ossada de folha
Tão frágil e quebradiça, um dia já foi viço
Vício que tenho é de metamorfoses
Despir-me do mesmo sem mirar espelho
Perder-me nos ventos da mudança
Estirando o seco num tapete vermelho
No qual desfiladeiros desfilam
Alheios aos pés que pisam
Esmagam as folhas como borrões
Uma pena não dar a mínima à folha que voa
E dar a vida por uma flor
Ninguém jamais entendeu de valor
Nem como a natureza conta
Outono não é outra coisa
Senão virar a página.

Gostou? Não esquece de deixar o seu comentário!

--

--

--

Poeta e escritor. Integrante do portal Fazia Poesia. Instagram: @purapoesiaa. Gostou do conteúdo? Se inscreva no link: https://adriel-alves.medium.com/subscribe

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Adriel Alves

Adriel Alves

Poeta e escritor. Integrante do portal Fazia Poesia. Instagram: @purapoesiaa. Gostou do conteúdo? Se inscreva no link: https://adriel-alves.medium.com/subscribe

More from Medium

What’s on Jim’s Mind (Issue #7)

Melos OverView