Poética Valsa

Adriel Alves
Jan 16, 2024
Foto de Kazuo ota na Unsplash

Por vezes a poesia me tira para dançar
Piso em seu pé, lhe oferto tropeços
Mas ela teima em valsar
Vai constelando meus dedos
Cadeciando os passos trôpegos
Quando noto, já estou a ver estrelas
Ao findar da noite, o clímax
Nossos lábios se colam
E de tal momento áureo
Algo chora em meus braços
Ó, meu pequeno poema
Carne da minha carne
O farei pulsar fora de meu corpo
O verei encantar outros olhos
És meu, e de todo o mundo.

Gostou do conteúdo? Deixe aqui o seu aplauso (que vai de 1 a 50) e/ou comentário. Caso tenha interesse, inscreva-se aqui para receber um e-mail toda vez que eu publicar um novo texto.

Instagram: @purapoesiaa

--

--

Adriel Alves

Poeta e cronista. Integrante do portal Fazia Poesia. Instagram: @purapoesiaa. Gostou do conteúdo? Se inscreva no link: https://adriel-alves.medium.com/subscribe