Residência

No meu peito, sentimentos fazem aglomerações
Em meu íntimo, eu mesmo me aglomero
Em tantas formas e sonhos e desejos infinitos…

Moram n’alma um poeta, um cético, um otimista,
um devaneador, um pobre coitado desesperado…
A cada despertar, mirada no espelho revela outro ser
Além da espinha nova e dos pelos repentinos
Como se algo dentro morresse
e algo inesperado nascesse
O novo planta sementes num abrir de olhos
De repente, o ontem parece tão longe
e o amanhã parece tão próximo
E, por hoje, só temos esse dia
Que vai findar e nenhum como ele hei de vir
Será outra vez a novidade dando as caras
Outra vez o inesperado me esperando
Outra vez um dia só para fazer tudo que nunca será feito
Outra vez…

--

--

--

Poeta e escritor. Integrante do portal Fazia Poesia. Instagram: @purapoesiaa. Gostou do conteúdo? Se inscreva no link: https://adriel-alves.medium.com/subscribe

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Adriel Alves

Adriel Alves

Poeta e escritor. Integrante do portal Fazia Poesia. Instagram: @purapoesiaa. Gostou do conteúdo? Se inscreva no link: https://adriel-alves.medium.com/subscribe

More from Medium

The Expanse Season 6 Review

The Price Of Glory

HOW ‘THE MIGHTY’ HAVE FALLEN!

birthday.