Sobre o Vazio que Contemos

Somos noventa por cento vazio
Um largo vão entre os átomos
Por isso a vontade de devorar tudo
Antes que sumam num átimo
Por isso o desejo de alimentar a carne
Para que se supra o oco ávido.

A vontade é um ácido fora do estômago
Tem-se fome até do que foge à vista
Principal manjar do âmago
O palpável não sacia e não excita.

Viver é mastigar ou ser mastigado
O tempo aos poucos nos rumina
Feito uma grama na boca do gado
E depois cospe na terra
como um caroço de melancia
que parte para viver outra vida.

Gostou do conteúdo? Deixe aqui o seu aplauso e/ou comentário. Caso tenha interesse, inscreva-se aqui para receber um e-mail toda vez que eu publicar um novo texto.

Instagram: @purapoesiaa

Twitter: @purapoesiaaofc

--

--

Poeta e escritor. Integrante do portal Fazia Poesia. Instagram: @purapoesiaa. Gostou do conteúdo? Se inscreva no link: https://adriel-alves.medium.com/subscribe

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Adriel Alves

Adriel Alves

Poeta e escritor. Integrante do portal Fazia Poesia. Instagram: @purapoesiaa. Gostou do conteúdo? Se inscreva no link: https://adriel-alves.medium.com/subscribe