Velejador

Adriel Alves
Feb 20, 2024

No coração acolho o que for manhã
O que ou quem me abra as pestanas
e risque uma fresta de sol na face
Em mares revoltos planto cabanas
Durmo de conchinha com o que veleja
Que não me aportem âncoras
Nesse cai não cai,
esteja eu num cais, breve
Dançando com o vento, onde seja.

Gostou do conteúdo? Deixe aqui o seu aplauso (que vai de 1 a 50) e/ou comentário. Caso tenha interesse, inscreva-se aqui para receber um e-mail toda vez que eu publicar um novo texto.

Instagram: @purapoesiaa

--

--

Adriel Alves

Poeta e cronista. Integrante do portal Fazia Poesia. Instagram: @purapoesiaa. Gostou do conteúdo? Se inscreva no link: https://adriel-alves.medium.com/subscribe